Open Conference Systems, IV JORNACITEC

Tamanho da fonte: 
RECICLAGEM DO LIXO ELETRÔNICO: GRAU DE CONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS EM DIFERENTES PERFIS DE ESTUDANTES
Felipe Rodrigues Correa Lucas, Gustavo Kimura Montanha, Sergio Agugusto Rodrigues

Última alteração: 2015-09-22

Resumo


O lixo eletrônico pode ser classificado como resíduo resultante da obsolescência dos equipamentos eletrônicos, um exemplo disso são os computadores, onde para a sua fabricação a indústria emprega o uso de diversos elementos como alumínio, chumbo, germânio gálio, ferro, níquel e plástico. Os equipamentos descartados de forma inadequada perdem a possibilidade de reciclagem e reutilização dos componentes citados (SILVA, 2010).

Já para Siqueira e Moraes (2009) os componentes eletrônicos são constituídos por materiais que possuem metais pesados altamente tóxicos e sua produção pode afetar tanto os trabalhadores quanto comunidades e o ambiente. Além disso, esses resíduos em sua maioria normalmente são descartados em lixões e acabam contribuindo, de maneira negativa, com o meio ambiente e com os catadores que sobrevivem da venda de materiais coletados nesses locais.

Os resíduos do lixo eletrônico, ao serem encaminhados para os aterros sanitários, podem causar sérios danos à saúde e ao ambiente com esses equipamentos expostos e largados de forma inadequada, sem o devido tratamento (FERREIRA; FERREIRA, 2008).

Quando os resíduos eletrônicos entram em contato com o solo, podem infectar o lençol freático, e há processos de reciclagem rudimentares normalmente à combustão (para retirada dos metais preciosos), acabam contaminando o ar, pois produtos químicos estão presentes em certos materiais, e com isso podem desencadear sérios problemas à saúde humana (MOREIRA, 2007).

O descarte correto e a separação seletiva dos resíduos eletrônicos auxiliam na preservação da saúde de toda a população e do meio ambiente, pois com a reciclagem, não há necessidade de extrair matéria prima do meio ambiente.

Para evitar problemas futuros, o governo estabeleceu a partir do decreto 7.404 de 23 de dezembro de 2010 e de acordo com a lei 12.305 de 2 de agosto de 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que determina que todos os fabricantes, importadores, distribuidores e vendedores devem realizar o recolhimento das embalagens usadas e dar o destino correto para o mesmo. Foi introduzida a responsabilidade compartilhada na legislação brasileira, envolvendo a sociedade, empresas, prefeituras, governos estaduais e federais na gestão dos resíduos sólidos (BRASIL, 2010).

Neste contexto, o objetivo deste trabalho é abordar o tema “reciclagem” sob o enfoque na reciclagem e reutilização de componentes eletrônicos na parte ambiental e socioeconômica, além de identificar o grau de conhecimento dos alunos de uma instituição de ensino a respeito deste tema.


Texto completo: PDF